domingo, 26 de abril de 2009

curto-circuito

.
entre um emaranhado
de fios infinitos
conduzo meu corpo
em cobre
e cubro-me
em broches de lítio
estrelando espasmos
oculares entre
outros soluços
isolantes
.

8 comentários:

omnia in uno disse...

sodadi grande :: adorei os dois ultimos posts, pat!!

beijos

Carleto Gaspar 1797 disse...

Mal sabe o pescador de latas que dentro de séculos sua foto circulará o globo na parede dos museus do mundo

Adrianna Coelho disse...


"soluços isolantes"
uma das coisas que me fazem sentir saudade de ler vc é essa sua capacidade de unir substantivos e adjetivos de maneira improvável e ainda assim ser tão significativo...e bonito.

beijos, pat

O empírico disse...

O emaranhado nem sempre é infindo, mas se enrola como tal.

Luiz Coelho disse...

tá sinistra hein psera!

homoluddens disse...

Oi Patricia, bom que você apareceu. Vi que vc tem uma galeria. Gostei! Postei um cartaz seu lá no blogue. Caso não queira só me avisar que eu tiro.
Abraços.

Ramon Alcântara disse...

E e vou por baixo, pelas fibras ópticas conduzido pela velocidade que não me é.



__

Acompanhe: http://os-desconhecidos.blogspot.com/

os desconhecidos

Uma coletânea de minicontos que se interligam ou um romance que se forma em seus fragmentos. As personagens que percorrem o mundo em solilóquios e de repente se esbarram em alguém ou entra em contato social de alguma forma com um outro. Forma-se assim uma rede de desconhecidos que mantém vínculos no encontro cotidiano, ordinário, momentâneo. O leitor, como se acompanhasse uma prova de revezamento, é levado pelas curvas dos desconhecidos. De fulano para beltrano, de beltrano para ciclano e tal...

___

Abzzzz

Paco * disse...

soluços isolantes........

literafísica, poequímica ardente que vc faz.

vc é A cara!